Ubuntu 14.10 Utopic Unicorn

O próximo Ubuntu que será desenvolvido nos próximos meses terá o nome de Utopic Unicorn (em português Unicórnio Utópico). Este nome dado ao Ubuntu 14.10 segue a estrita linhagem de dar nomes pelo abecedário e traz-nos a segunda mascote mitológica dentro do grupo de mascotes que o Ubuntu já teve.

Conheça melhor esta mascote e conheça também as palavras iniciais de Mark Shuttleworth que certamente alinham e desmistificam algumas ideias e objetivos que serão aplicados para o próximo Ubuntu.

Desmistificando o nome do Ubuntu 14.10, como é normal na já grande lista de mascotes do Ubuntu, temos um adjetivo e um nome de um animal, que neste caso específico é uma figura mitológica. Geralmente o adjetivo tem uma forte conotação com o objetivo principal da versão do Ubuntu. Por exemplo no anterior Ubuntu 14.04, o adjetivo era “trusty” porque queriam transmitir toda a qualidade, robustez e segurança que aquela versão se caracterizava por ser uma versão LTS.

Então, o que o nome desta mascote nos poderá querer dizer? Segue algumas ideias:

  • Utopic: em português utópico, significa que é o estado ideal de alguma coisa. Geralmente associa-se a esta palavra o inatingível, a perfeição pelo qual se trabalha para alcançada. Como tudo na vida, nada é perfeito e portanto apenas podemos caminhar para a utopia e aproximarmo-nos dela ao máximo.
    No caso específico do Ubuntu, o objetivo continua sendo a reestruturação deste “Linux para seres humanos” de forma a torná-lo na unificação perfeita entre o desktop e os sistemas móveis. Depois desta pausa nas novidades por causa da LTS anterior, tudo volta ao reeinventar para tornar o Ubuntu perfeito e nesse sentido este adjetivo enquadra-se muito bem.
  • Unicorn: Em português Unicórnio, é uma figura mitológica muito conhecida que normalmente é associada à pureza e ao mesmo tempo à força. A sua forma é caracterizada por ser um cavalo com um único chifre e geralmente de cor branca, precisamente para significar a pureza. Há um conjunto vasto de associações e significados a esta figura mitológica, para o caso específico do Ubuntu 14.10, o reinventar de novas coisas como o Unity 8 e MIR será um recomeço de algo, esperamos nós, puro e, claro elegante, forte e rápido.

Para mais informações destes nomes, seguem os links da Wikipedia:

Segundo Mark Shuttleworth, um empresário que está por trás do projeto Ubuntu, é sempre muito boa a etapa de finalizar uma versão LTS e avançar para a próxima. Isto ocorre porque passam 6 meses a desenvolver a versão LTS que na prática se resume a estabilizar a distribuição máximo, para que resulte numa versão do Ubuntu muito estável e pronta para ser utilizada durante muitos anos seguidos. Apesar de ser gratificante, há muitas ideias que surgem, mas que têm de ficar paradas no tempo para as próximas versões.

Ora todas essas ideias são “postas na mesa” principalmente quando arrancam com a versão seguinte à LTS, que neste caso específico o Ubuntu 14.10 é isso mesmo que está a acontecer. Toda aquela vontade que surgiu para desenvolver novas ideias esteve estagnada até este momento e eis que agora é tempo para as pôr em prática.

Unity 8 nos seus primeiros passosPara além de tudo isso, o facto de o Ubuntu 14.04 ser uma versão LTS, também condicionou as maiores aspirações já em versões anteriores, nomeadamente do Ubuntu 13.04 e Ubuntu 13.10. As grandes aspirações como um reformular completo do Unity (especificamente chamado de Unity 8), o servidor MIR e a unificação mais objetiva com o sistema móvel (o Ubuntu Touch) não podiam ser feitas muito próximas de uma versão LTS e então tudo isso foi adiado para as versões posteriores, que começam agora o seu desenvolvimento.

As ideias são muitas, as perspetivas são muito boas, principalmente por terem objetivos de reformulação do que já existe para algo mais objetivo, simplificado na direção certa. É neste sentido que há agora um verdadeiro caminho que antes era uma utopia completa e agora talvez seja uma realidade muito próxima, para termos algo tão elegante como é um unicórnio.

Mark fala também de alguns aspetos que têm se arrastado nos ubuntus anteriores devido a algumas dependências de algumas aplicações, nomeadamente do Python 2.x. Estes atrasos das versões nestes momentos de transição poluem muito os sistemas que por vezes ficam com bibliotecas redundantes. Neste aspeto espera-se também algum desenvolvimento para limpar coisas mais antigas.

Por fim, é referido também que esperam trazer ainda maiores facilidades na questão de instalação de aplicações, desde o envio do desenvolvedor à instalação por parte do utilizador final. Segundo as palavras do empresário, é possível que estejamos a caminhar para algo ainda mais simples e rápido do que é atualmente.

Para já objetivos concretos não existem, apenas ideologias a aplicar. Os objetivos concretos são sempre discutidos e definidos em grosso modo nas UDS (Ubuntu Developer Summit). A próxima, em que todos os utilizadores são sempre convidados a participar, irá decorrer em Maio tal como tem acontecido nos outros anos.

 

Referências

9 Respostas ate agora.

  1. Alessandro diz:

    Só espero que o suporte a tela touch seja melhorado, que ainda não está lá aquelas coisas, discordo quanto ao comentários sobre a placa intel, no meu note é intel hd e o desempenho é excelente.

  2. mjsf12 diz:

    Se esse mir não for tão bugado quando a primeira versão do unity ta valendo.

  3. mgiacomossi diz:

    Pelo menos o nome é legal.

  4. Melhorem o BUG do Dash! ai sim eu gostarei!

  5. Espero que eles se decidam por adicionar ao painel do unity, a opção de ativar e desativar as pesquisas online, para melhorar a velocidade das pesquisas, segundo a necessidade do usuário.

  6. Espero que invistam muito na aparência do sistema, deixando tudo em harmonia, diminuam os bugs relacionados a laptops, como os DELL que usam placa gráfica intel, que ao mudar o brilho, congela o sistema.

    O ubuntu está em um patamar de estabilidade muito elevado, mas ainda precisa evoluir mais um pouco, no entanto, ainda falta muito no que diz respeito a beleza gráfica, pois mais da metade dos usuários alteram praticamente tudo ao instalar ubuntu, diferente dos usuários do elementary ou usuários que fazem uso do gnome-shell.

    Enfim, são opiniões particulares minhas, porém nada disso é algo crucial em um sistema, porém pode ajudar a alavancar um crescimento rápido.
    A humanidade está muito ligada a aparências.

    • Diogo Olegario diz:

      Inteligente sua opinião! Concordo também…

      • André diz:

        Thiago, o Elementary é um derivado do Ubuntu. Caso você desconheça a Canonical fornece versões do Ubuntu também com a interface gráfica Xfde, que é a do Elementary, elegante e compativel com a maioria dos drives de video, são os casos do Xubuntu e Lubuntu com a GUI Xfce e Lxde respectivamente. Todos projetos da Canonical e podem ser baixados diretamente do site oficial http://cdimage.ubuntu.com/ caso queria detalhes das distros, vá aos sites http://www.xubuntu.org e http://www.lubuntu.net. Abç

    • Concordo, tem coisas que me deixam super tristes e a Canonical anda pisando na Bola.
      Aparência mudou e muito, porém ainda noto, que há uma lacuna muito forte na interface do ubuntu e os aplicativos.
      Muitos aplicativos gnome com interface velha e feia, falta de informações atualizadas dos aplicativos na loja, outra que precisa mudar é a Loja péssima, lerda, e trava muito, sem informações inerentes ao sistema operacional.

      Falta um gerenciador de Programas, no estilo do Windows melhorado e com interface amigável.

      Barra do Unity ser abolida, e adotar o Docky, que tem a função Drag and Drop coisa que no unity é arcaico, como ocorre no windows, a função drag and drop é consolidada no windows e no Ubuntu tem várias falhas.

      Nautilus é péssimo comparado ao Explorer do Windows, recursos básicos do windows não existem no Nautilus. Renomear vários arquivos, junção de 2 ou mais pastas, Modos de Visualizações melhorados.

      Péssimos Reprodutores de Músicas, visualmente são horríveis, e feios, a Canonical deveria ter um leque de aplicativos padronizados mantidos por ela mesma.

      Canonical adota um visual, mas o mundo Linux adota um visual antigo, que acaba deixando a usabilidade comprometida, pois não é padronizada.

      Falta o Lançador clássico por categorias.

      Unity deveria ser na parte inferior da Tela se não for abolido.

      Melhor gerenciamento dos Som analógicos para digitais.

      Canonical precisa dar foco na Sua Suite de Programas (Musica, Arquivos, Fotos, Email, Videos) com sua própria identidade visual e aproveitando recursos de outros sistemas operacionais que não existem no Ubuntu.

      Temos o Banshe o esquisito Rythbox (ta errado) todos são bons, porém bem arcaicos e simples, visualmente são feios, não tem um padrão de design.

      Canonical deve ter seus aplicativos oficiais atualizar com novidade e impor uma interface.

      Cansa de ver a maioria ser gnome antigo rodando numa interface nova, destoa tudo, POR ISSO QUE A APPLE DÁ UM BANHO EM DESIGN, APARÊNCIA, E HOJE O WINDOWS 8 TAMBÉM.

      Mas pode melhorar, espero que o 14.10 mude radicalmente, pois desde a versão 12.04 é tudo a mesma coisa no design.

Deixe uma resposta a @alessandrouk